maio 19 2020 0comment

Projeto que impulsiona a carreira de jovens, pretende transformar o Brasil por meio da TI

Existe uma escassez de mão de obra no mercado de TI no Brasil. E isso acontece em meio a uma crise econômica no país, com quase milhões de pessoas desempregadas, segundo os dados mais recentes do IBGE.  Ao mesmo tempo, estimativas da Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (BRASSCOM) mostram que a área de tecnologia terá mais de 450 mil vagas abertas até 2024.

 

Buscando mudar esse cenário, nasceu o Movimento MeuFuturo.Digital, um ecossistema que que pretende integrar jovens, instituições de ensino, empresas contratantes, startups, governo, ONGs, entre outras entidades, com o objetivo de transformar o Brasil através da tecnologia.

 

Para isso, as ações já começaram e vão desde palestras em centros de formação e universidades a formação de grupos conectados para pensar iniciativas e ideias que impactem a sociedade,  criando um ecossistema que favoreça a atração, retenção e formação de talentos na área de TI. 

 

O projeto de transformação cultural exponencial nasce da urgência de fomento ao aprendizado, tendo a tecnologia como futuro e pautando-se na troca de ideias, experiência.. Já passou do momento de o Brasil fazer a sua própria disrupção e começar a se destacar como grande potência de TI e Digital mundial.

 

Para conhecer um pouco mais sobre o projeto, clique aqui.

 

Fonte: Canaltech

março 16 2020 0comment

Profissões da área de Tecnologia são as que terão maior crescimento nos próximos anos

Segundo dados do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), as profissões ligadas à tecnologia estão entre as mais promissoras para os próximos cinco anos, No estudo Mapa do Trabalho Industrial, estas ocupações devem não só motivar a abertura de novos postos de trabalho, como também exigir a requalificação de parte da mão de obra disponível atualmente.

 Ainda segundo as informações do Senai, o Brasil terá que qualificar 10,5 milhões de trabalhadores em ocupações industriais para a adaptação às mudanças tecnológicas e para a automação dos processos de produção, tudo isso até 2023.

A pesquisa mostra ainda que haverá a criação de vagas de trabalho para profissionais, como condutores de processos robotizados, devido à alta demanda. O crescimento deve ser de 22%, enquanto em outras ocupações o aumento médio deve chegar a 8,5% no mesmo período.

As maiores taxas de crescimento devem acontecer também nas profissões de pesquisa de engenharia e tecnologia (17,9%), engenharia de controle e automação, mecatrônica e afins (14,2%), direção de serviços de informática (13,8%) e operação de máquina de usinagem CNC (13,6%).

Entre as áreas que vão demandar formação profissional, segundo o relatório, estão a metalmecânica com 1,6 milhão de vagas, construção, com 1,3 milhão, logística e transporte com 1,2 milhão, alimentícia com 754 mil, informática com 528 mil, eletroeletrônica com 405 mil e energia e telecomunicações com 359 mil.

No topo do ranking por área deverão estar as ocupações transversais, aquelas com profissionais que estão aptos a trabalhar em qualquer segmento, como pesquisa e desenvolvimento, técnico de controle da produção e desenhistas industriais. O Senai estima que, neste setor, 1,7 milhão de vagas devem ser criadas nos próximos cinco anos.

Profissionais com formação técnica terão mais oportunidades na área de logística e transporte, exigindo a capacitação de 495.161 trabalhadores, enquanto a de metalmecânica precisará qualificar 217.703 pessoas.

fevereiro 27 2020 0comment

5 cursos de graduação para quem deseja seguir na carreira do BIG DATA

A carreira do cientista de dados gerou algo que conduz a própria indústria, não é só uma engrenagem na máquina – do Spotify até o carro autônomo. Essas coisas trazem a ciência de dados, Big Data, como fio condutor da ideia. Cursos que deem uma boa base de raciocínio matemático, como Estatística, Matemática e Ciência da Computação podem ser boas portas de entrada nesse mercado.

Além da formação bem embasada na matemática, o cientista de dados também precisa ter uma visão mais aberta, para saber desenvolver boas perguntas que possam ser respondidas pelos dados.

Como é natural de profissões que nascem apoiadas em avanços tecnológicos, interessados na ciência de dados devem ter em mente que é preciso conseguir ser adaptável a mudanças e não podem ter medo de continuar estudando. Afinal, o potencial é de que surjam ainda outras carreiras ligadas a manipulação de dados que nem conseguimos imaginar agora.

Saiba quais são os 5 cursos que podem te ajudar a ser um profissional de BIG DATA:

Ciência de dados

Apesar de ser uma área nova, algumas universidades, como a FGV, Anhembi Morumbi e PUC-SP já estão incluindo em seus catálogos cursos de graduação em Ciência de dados. Os currículos integram conceitos de Big Data, inteligência artificial, estatística, programação, matemática e ciências sociais aplicadas para formar profissionais capacitados para lidar com grandes quantidades de dados e transformá-las em conteúdos visualizáveis.

Estatística

O estatístico coleta, analisa e interpreta dados numéricos em relação a fenômenos da sociedade e da natureza. Ele é capacitado para organizar o levantamento destes dados por meio de questionários e levantamentos, além de, na indústria, poder auxiliar no controle de qualidade e vendas. Ele também atua no desenvolvimento de modelos matemáticos para análise de dados.

Ciência da computação

Um profissional da ciência da computação desenvolve softwares (programas para computadores ou outros dispositivos, como smartphones) que vão desde o uso doméstico até grandes corporações, passando também pela academia. Pensando em carreiras com Big Data, ele pode usar a programação para fazer a estruturação e gestão de bancos de dados, análises matemáticas e desenvolver algoritmos, como os de inteligência artificial.

 

Matemática aplicada

Cursos de matemática aplicada formam profissionais que usam raciocínio lógico e técnicas da matemática, física, estatística e computação em diversos ramos, da informática ao mercado financeiro. O objetivo é encontrar soluções matemáticas para problemas da sociedade, atuando em posições estratégicas do setor privado e da academia. Além disso, também pode usar a modelagem matemática também para construir simulações que antevejam e previnam problemas de produtos.

 

Economia

Economistas estudam a história, a produção e a distribuição de bens e serviços na sociedade. Podem atuar em escalas macro, analisando questões nacionais ou mundiais, por exemplo, ou micro, em empresas. Aliam conhecimentos em ciências sociais aos das ciências exatas para fazer relatórios e projeções para o futuro, podendo atuar no desenvolvimento de políticas públicas e planejamentos financeiros.

 

 

setembro 24 2018 0comment

Programadores são os profissionais mais procurados para freelancers

A Workana, plataforma de trabalho freelance com atuação em toda a América Latina, realizou um estudo que aponta as categorias mais contratadas para trabalhos freelancers. Os profissionais relacionados com o mercado digital, como por exemplo, TI e Programação têm destaque, com 30%, seguido por profissionais de Design e Multimídia (28%).

Segundo a pesquisa, os profissionais freelancers são uma alternativa para suprir a falta de profissionais qualificados para o setor de tecnologia, já que podem prestar seus serviços para empresas de todo o mundo. Como não há a preocupação de ser alocado, o mesmo profissional pode trabalhar para mais de uma organização e não necessariamente estar próximo a ela.

A lista conta também com as áreas de Marketing e Vendas 33%, Tradução e Conteúdos 10%, Finanças e Administração 5%, Suporte Administrativo 3%, Jurídico 2% e Engenharia e Manufatura 2%. A pesquisa ainda mostra o ticket médio de cada categoria, o que representa em sua maioria projetos de curto prazo (68% do total de projetos publicados na Workana).

Para ver a lista completa, basta acessar o site da workana: www.workana.com