setembro 13 2016 0comment

Treinamento SAS: Quem deve fazer?

O mundo está mudando rapidamente. Diariamente lidamos com informações em uma grande velocidade e, o que era regra ontem, hoje deixa de existir.

Como lidar com todo esse volume de dados que é gerado quase que instantaneamente? Como usar esses dados de forma estratégica para conhecer melhor um determinado público ou para enxergar suas necessidades?

Diante desta avalanche de informações, diversas ferramentas estão disponíveis no mercado para organizar, extrair e explorar os dados de forma estratégica. Uma dessas ferramentas é o SAS, que trata-se de um software integrado de aplicações, que tem como objetivo principal a análise de dados.

Quando falamos em analisar dados, estamos falando também de recuperação de dados, gerenciamento de arquivos, análise estatística, acesso a banco de dados, geração de gráficos e de relatórios.  Trabalha com acesso, manipulação, análise e apresentação. Pode ser instalado em diversos ambientes operacionais disponíveis no mercado, sendo os programas e arquivos portáveis para qualquer um desses ambientes.

As empresas, cada vez mais, adotam estas ferramentas e buscam no mercado profissionais capacitados para manipularem e trazer respostas para seus questionamentos de negócio.

Além de diversas características pessoais, as empresas priorizam pessoas que possuam conhecimentos técnicos, podendo explorar ainda mais o potencial da ferramenta adotada, permitindo maior agilidade no dia a dia e agregando valor no atendimento às demandas.

Para o profissional que deseja capacitar-se na ferramenta SAS, é importante buscar escolas que possuam credibilidade e que ofereçam cursos focados em sua necessidade e rotina de trabalho, permitindo desta forma, maior aproveitamento do aprendizado.

A INFOMEV é essa escola. Com profissionais que ministram treinamentos SAS há mais de 13 anos no Brasil, oferece uma ampla grade de treinamentos abertos e in company, que são ministrados nos formatos regulares ou customizados.

Todos os treinamentos SAS oferecem material didático, certificado e suporte pós aula, podendo esclarecer possíveis dúvidas que o aluno venha a ter. Os treinamentos possuem duração de 16 a 36 horas e podem ser ministrados, inclusive no local de trabalho do aluno.

O curso é indicado para todos os profissionais que lidam com volume de dados e não exige formação específica. Para alguns treinamentos SAS, é importante que o aluno possua prévio conhecimento no comando operacional Windows e que compreenda conceitos lógicos de programação, permitindo desta forma, melhor aproveitamento do curso.

Os cursos oferecidos são:

– Programação SAS

– SAS Macro

– SAS Enterprise Miner

– SAS Enterprise Guide

– Linguagem SQL

– SAS IML

Quer conhecer um pouco mais sobre cada curso? Basta acessar o link: https://www.infomev.com.br/servicos/infotraining/treinamento-sas/

Para saber um pouco mais sobre cursos customizados, basta entrar em contato com a equipe comercial, contar a sua necessidade e aguardar um projeto personalizado.

Além de treinamentos em SAS, a Infomev oferece cursos em outras ferramentas, como por exemplo, Tableau e CRM. Para quem deseja desenvolver projetos personalizados em SAS, vale a pena conferir a Consultoria SAS.

setembro 06 2016 0comment

Crônica: Todo obstáculo contém uma oportunidade

Estamos iniciando um novo mês, e para celebrar o começo desses próximos 30 dias que teremos pela frente, gostaríamos de compartilhar uma crônica que encontramos no livro “O que podemos aprender com os gansos” da editora original.

A crônica nos traz reflexões importantes que se a aplicarmos no nosso cotidiano, certamente teremos resultados diferentes em nossas ações. Confira!

“As empresas estão em permanente processo de mudança. A cada dia somos colocados diante de obstáculos e barreiras que devem ser removidos. Nesses casos, nossa atitude tem de ser positiva, para que possamos superá-los e crescer profissionalmente.

Há uma história que diz que certa vez um rei colocou uma pedra enorme no meio de uma estrada. Então, ele se escondeu e ficou observando para ver se alguém iria tirar a imensa rocha do caminho. Mercadores e homens muito ricos do reino passaram por ali e simplesmente deram a volta pela pedra. Alguns até esbravejaram contra o rei, reclamando que ele não matinha as estradas em ordem, mas nenhum tentou sequer mover a pedra dali.

De repente, veio um camponês com uma boa carga de vegetais. Ao se aproximar da imensa rocha, ele pôs de lado sua carga e tentou remover a rocha dali. Após muita força e suor, ele conseguiu empurrar a pedra para a beira da estrada. Ao voltar para pegar sua carga de vegetais, notou que havia uma bolsa no local onde antes estava a pedra. A bolsa continha muitas moedas de ouro e uma nota escrita pelo rei, que dizia que o ouro estava destinado à pessoa que tivesse removido a pedra do caminho. O camponês compreendeu então o que muitos de nós nunca entendemos: todo obstáculo contém uma oportunidade para melhorarmos nossa condição. Pense nisso ao deparar com obstáculos em sua empresa.”

Crônica retirada do livro “O que podemos aprender com os Gansos” – Ed 12 – Editora Original

agosto 25 2016 0comment

Que tipo de formador de hábito você é?

Por Dulcineia Alcock

Estamos no segundo semestre, e muitas pessoas aproveitam para fazer um balanço de suas resoluções para este ano. Se você se comprometeu a criar ou mudar um hábito, olhou pra trás e conseguiu, parabéns. Se não, talvez esteja na hora de pensar que tipo de formador de hábito você é, e então encontrar maneiras de responder às expectativas que você (ou outros) se impôs.

Gretchen Rubin, autora do livro Better Than Before (Melhor que Antes), diz que ¨hábitos são a arquitetura invisível do nosso cotidiano¨. Pense nessa frase por um momento: você passa o dia fazendo coisas de que o seu cérebro não se dá mais conta, porque elas se tornaram hábitos: escovar os dentes, dirigir para o trabalho, se alimentar etc. Hábitos são importantíssimos, uma vez que eles liberam espaço para o cérebro tomar outras importantes decisões. A razão pela qual você pode pensar nas prioridades para o seu dia (uma atividade cerebral de auto nível), é justamente porque o seu cérebro não precisa decidir se você vai escovar os dentes: isto é um hábito estabelecido.

O que faz uma pessoa manter um bom hábito, ou criar um novo com mais facilidade que outros?

Rubin estudou o assunto, e dividiu os formadores de hábitos em 4 tipos. Identificar qual se assemelha mais ao seu estilo e utilizar as estratégias propostas pode ajudá-lo a encontrar diferentes maneiras e se sentir mais propenso a cumprir suas metas.

O Mantenedor (Upholder)

O Mantenedor é aquele que responde ativamente às suas expectativas pessoais e às externas.

A estratégia de Gretchen Rubin, ela mesma uma Mantenedora, é a da Agenda, o que nada mais é que, como o nome já diz, colocar as metas em uma agenda e ticar no final do dia.

No livro O Poder do Hábito, Charles Duhhigg discorre sobre os 3 estágios da formação do hábito: o gatilho, o hábito em si e a recompensa (falo mais sobre isto neste artigo).

A sensação de dever cumprido serve como recompensa para o Mantenedor, e isso o estimula a manter o hábito.

O Questionador

Questionadores só atendem à uma expectativa se ela faz sentido, de acordo com o seu próprio julgamento. Ou seja, para atender a uma expectativa externa, eles precisam transformá-la em interna. Coaching nesse caso tem o papel de ajudá-lo a fazer as conexões cerebrais necessárias para que isso aconteça.

A estratégia para o questionador é a da Clareza. Uma das razões pelas quais algumas pessoas não sucedem em manter um hábito, é porque aquela resolução conflita com um outro valor.  Por exemplo: você quer manter os emails respondidos, mas também quer jantar com a sua família. Ou você quer fazer uma pós, mas quer investir nas suas relações pessoais.

O papel do Coach neste caso é te ajudar a clarificar o que tem mais peso na sua vida no momento, e quem sabe se, pensando fora da caixa, não é possível atender às duas demandas?

O Comprometido (Obliger)

Comprometidos atendem facilmente às expectativas externas, mas têm problemas em atender às suas próprias. São aqueles que vão usar o sábado para ajudar um amigo a arrumar a casa, enquanto a deles está precisando de arrumação.

Eles precisam prestar contas, e um Coach tem papel fundamental neste caso, uma vez que combinará tarefas semanais para assegurar que você consiga o seu objetivo, e checará a execução delas.

Como uma comprometida, encontrei maneiras diferentes de prestar contas: para me exercitar, por exemplo, baixei um app que me diz quantos passos caminhei no dia. Minha meta é de 10.000 passos (cerca de 8 kms), e quando eu alcanço, a tela fica verde. É impressionante como me incomoda ver a tela vermelha (ou laranja, quando alcanço 5.000), e como não sossego enquanto não cumpro a minha meta.

Para meus gols profissionais eu encontrei um amigo que também é um comprometido, e toda 2a. fa. nós estabelecemos 3 ações e checamos se elas foram feitas. Embora Coaching seja bem mais poderoso, já que trabalha com técnicas de neurociência que vão ajudá-lo a entender padrões e pensar diferente, esta pode ser uma boa alternativa.

O Rebelde

O Rebelde resiste tanto à expectativas internas quanto externas, e quanto mais alguém espera que eles façam algo, menor será a possibilidade de que eles farão.

Neste caso, a estratégia é a da identidade. Rebeldes precisam conectar à sua identidade àquela que eles querem se tornar. Para uma pessoa que é a alegria da festa, e a sua extroversão é movida a álcool, pode ser difícil parar de beber, porque ele está se identificando com aquele papel e é reconhecido por ele. Se ele é um rebelde, é necessário que passe a se identificar com uma outra persona, talvez não a do extrovertido, mas a do saudável.

Rubin fala sobre outras estratégias que poderão ser usadas, como por exemplo Combinar ou Abster: na primeira você faz um acordo que só vai ler seus emails pessoais se tiver terminado dois Contratos, por exemplo. Na última você se propõe a não ler mais emails pessoais no trabalho.

Como David Rock, autor de Your Brain at Work (Seu Cérebro Trabalhando, em tradução livre) estressa, ¨não há dois cérebros que sejam iguais¨.  O interessante no estudo de Rubin é que cada pessoa precisa encontrar a maneira que melhor lhe convém, e respeitá-la fará com que a mudança ocorra de forma orgânica, sem sofrimento.

Para saber qual é o seu tipo, faça o teste (em inglês): www.bit.ly/HabitsQuiz.

Agende uma sessão de Coaching e use o conhecimento que adquire sobre você e seu comportamento a seu favor: www.pt.highpeakcoaching.com/contato

agosto 23 2016 0comment

Dica de leitura: O Poder do Hábito

Quer tirar da sua mente e do papel aqueles projetos? Transforme-os em hábitos que o seu cérebro faz o resto. É o que garante Charles Duhigg, autor do livro “ O Poder do Hábito”.

O livro é o preferido de muitas pessoas bem sucedidas e muito do seu sucesso pode ser atribuído ao hábito de determinadas ações. Segundo o autor, bons hábitos são difíceis de adquirir, e os ruins são difíceis de largar, porém, mudanças de hábito, podem acontecer, mas, para isso, é necessário entender como as rotinas automatizadas funcionam no nosso cérebro e, então, abandonar hábitos ruins que podem abrir oportunidades para transformações que podem gerar bilhões, o que significa a diferença entre fracasso e sucesso, vida e morte.

Com base na leitura de inúmeros artigos acadêmicos, entrevistas com centenas de pessoas, entre cientistas e executivos, além de dezenas de empresas e das pessoas que conseguiram dar mudar suas vidas, Duhigg, em O Poder do Hábito, nos apresenta um argumento animador: a chave para mudar o que não funciona em sua vida.

O livro custa em torno de R$ 49,90 nas principais livrarias do país.

Vale a pena a Leitura.

Capa O poder do habito.indd