abril 16 2020 0comment

As soluções tecnológicas usadas ao redor do mundo para combater o COVID-19

Em meio à maior pandemia dos últimos tempos, países utilizam-se de soluções tecnológicas para poder monitorar e combater o COVID-19.

Selecionamos alguns países e apontamos as ferramentas utilizadas. Confira!

EUA

Vigilancia de movimento por celulares

Aplicativos de monitoramento de doentes

 

BRASIL

Vigilancia de aglomerações por celulares

 

ISRAEL

Vigilancia de movimento de infectados e em áreas de quarentena por celular

 

SINGAPURA

Vigilância de movimento por celulares

 

RUSSIA

Vigilancia de movimento de infectados e em áreas de quarentena por celular

Código QR para monitorar quarentena

 

COREIA DO SUL

Vigilancia de movimento e estado de saúde por celulares, cartão de crédito e imagens

Aplicativos de monitoramento

Divulgação online de posição de infectados

 

CHINA

Vigilancia de movimento e estado de saúde por celulares, imagens e reconhecimento facial

Divulgação online de posição de infectados

Aplicativos de monitoramento

Código QR para controlar quarentenas

Drones de vígília de quarentena

 

HONG KONG

Pulseiras com sensor para limitar áreas de quarentena

 

TAIWAN

Vigilancia de movimento por celulares

 

FRANÇA, ESPANHA, BÉLGICA E ITÁLIA

Vigilancia de aglomerações por celulares

Drones de vigília de quarentena

 

ALEMANHA E ÁUSTRIA

Vigilancia de aglomerações por celulares

 

POLÔNIA

Vigilancia de quarentena por meio de selfies

 

Fonte Folha.uol

abril 06 2020 0comment

O que aconteceu com o fazer nada?

Diante de tanta conversa sobre aproveitar melhor o tempo, 10 rotinas de pessoas bem sucedidas, não procrastinar etc. e, embora eu realmente faça uso dessas dicas, venho me perguntando: será que todo o nosso tempo precisa ser preenchido com algo produtivo?

Não estou nem sequer falando sobre ócio criativo, porque pra mim esse termo por si só pressupõe que mesmo se você ficar parado, precisa ter por finalidade conceber algo brilhante ao final do seu fazer nada.

 

Estou falando sobre sentar e assistir televisão sem se sentir culpado porque o programa não é culto o bastante e você não aprende nada com ele. Sobre sair e passear no parque sem se culpar porque você não está lendo os seus emails ou porque a casa não está limpa. Sobre dormir até o olho abrir. Sobre ler um romance.

 

Pode parecer que eu estou me contradizendo, mas em primeiro lugar, as coisas que escrevo também são para auto reflexão. Segundo, eu acho que existem dois tipos de conversas sobre tempo: uma quando você realmente quer fazer mais e não sabe como (e aí sim você vai aproveitar as dicas sobre o assunto), e outra que vou chamar de ¨simplesmente estar¨.

 

Vou dar um exemplo: eu sou fã da Pedagogia Waldorf. É um método de ensino que respeita profundamente o ritmo da criança, o seu modo preferido de aprender e o seu tempo de aprender. As crianças aprendem de forma muito orgânica, utilizando elementos do seu entorno e da natureza (terra, madeira), e o aprender se dá brincando, escutando estórias etc. Neste ambiente o brincar tem uma finalidade. Mas quando foi que a criança passou a ter (em casa) a obrigação de brincar com uma finalidade? Quando entrou a patrulha dos brinquedos de madeira, do não poder isso e aquilo, de ser produtivo até mesmo para as crianças?

 

O filósofo Bertrand Russel, no seu livro ¨O elogio ao ócio¨, diz: ¨Se o assalariado comum trabalhasse quatro horas por dia, haveria bastante para todos, e não haveria desemprego – supondo-se uma quantidade bastante modesta de bom senso organizacional. Essa idéia choca as pessoas abastadas, que estão convencidas de que os pobres não saberiam o que fazer com tanto lazer

 

Não quero entrar aqui numa discussão social sobre o papel da elite e da Revolução Industrial sobre a produtividade. O que me interessa é: será que nós sabemos o que fazer quando temos tempo livre? Será que sabemos aproveitá-lo – não no sentido de ¨tornar proveitoso¨, mas no sentido de apreciar, desfrutar?

 

Em outro trecho do livro, Russel diz, ironicamente: ¨´É verdade que meu corpo precisa de horas de descanso, que procuro preencher da melhor forma, mas meu maior prazer é ver raiar o dia para poder voltar ao trabalho, que é a fonte da minha felicidade.’ Nunca ouvi nada do gênero saindo da boca de nenhum trabalhador.¨

 

É claro que estamos falando de um livro publicado em 1939, mas as pessoas para quem essa frase não soa tão irônica, estão sim começando a procurar modelos diferentes de trabalho, que lhes permitam ter mais tempo para viajar, para contemplar e sobre o qual possam dizer: ¨amo o que eu faço¨. Elas passaram a perceber que o trabalho pode sim ser prazeroso e que o controle da quantidade de tempo dedicado ao trabalho pode ser seu. Veja, por exemplo, os Nômades Digitais.

 

Como Coach o que é importante pra mim é que você, primeiro, esteja consciente do que você quer. Se você quer que seu tempo seja produtivo, então eu posso ajudá-lo com ferramentas para isso. Se você quer ter mais tempo livre (e escolher o que fazer com esse tempo, seja estudar, ficar com a sua família ou fazer nada), ok, posso ajudá-lo a alcançar isso. Mas a pergunta é: o que você quer? E a segunda reflexão é: por  que você quer? Foi sua escolha? Você se viu obrigado a fazer algo pelas circunstâncias da vida? Ou por que se comprometeu (ainda que consigo mesmo) a fazer algo e agora não quer voltar atrás? Se você perceber que realmente não escolheu, ou que escolheu mas agora não faz mais sentido, vamos explorar as opções porque, acredite, quase sempre existe outra opção. E se você escolher fazer nada, que fique em paz com isso.

 

Que tal experimentar ¨simplesmente estar¨ no próximo final de semana e compartilhar como foi pra você?

 


Dulcineia Sañtos é Life Coach, certificada pelo NeuroLeadership Group em Londres.

www.dulcineiasantos.com

 

março 23 2020 0comment

Tableau: benefícios da ferramenta

Atualmente, cada vez mais empresas estão investindo em extração e análise de dados como diferencial competitivo. Nesse contexto, uma das ferramentas mais potentes e de alcance global é o Tableau Software.

Além da própria solução de Business Intelligence (BI), que visa potencializar seus resultados, o Tableau Software beneficia aspectos técnicos e da infraestrutura de TI necessária para sua aplicação.

No post de hoje, conheça melhor o Tableau e seus benefícios:

FÁCIL INTEGRAÇÃO

A implementação da ferramenta é facilitada pelas grandes possibilidades e facilidades de integração dela com informações já existentes. É possível iniciar, por exemplo, o projeto de BI com Tableau Software conectando-se facilmente em diversos tipos de fontes de dados como Cubos, banco de dados relacionais, dados em nuvem e até mesmo arquivos, como arquivos texto e Planilhas do Microsoft Excel.

Isso torna a implantação do projeto de Business Intelligence mais rápida e sem transtornos para o departamento de Tecnologia da Informação (TI). Por consequência, o processo também fica mais barato.

EXIBIÇÃO DE DADOS COM FOCO EM RESULTADOS

A visualização dos dados na ferramenta é direcionada à compreensão ágil e clara dos usuários e à aplicação das informações na estratégia empresarial.

Assim, o Tableau Software otimiza a ocorrência de insights e a análise das informações, tanto gerais quanto segmentadas, para as tomadas de decisões estratégicas — fundamentais para a condução dos negócios rumo ao sucesso.

MOBILIDADE

O Tableau está preparado para apresentar informações em plataformas que vão desde os tradicionais desktops até em dispositivos móveis. A experiência da ferramenta nos dispositivos móveis é aprimorada devido ao constante desenvolvimento de melhorias nos produtos focadas na experiência de usuário.

março 16 2020 0comment

Profissões da área de Tecnologia são as que terão maior crescimento nos próximos anos

Segundo dados do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), as profissões ligadas à tecnologia estão entre as mais promissoras para os próximos cinco anos, No estudo Mapa do Trabalho Industrial, estas ocupações devem não só motivar a abertura de novos postos de trabalho, como também exigir a requalificação de parte da mão de obra disponível atualmente.

 Ainda segundo as informações do Senai, o Brasil terá que qualificar 10,5 milhões de trabalhadores em ocupações industriais para a adaptação às mudanças tecnológicas e para a automação dos processos de produção, tudo isso até 2023.

A pesquisa mostra ainda que haverá a criação de vagas de trabalho para profissionais, como condutores de processos robotizados, devido à alta demanda. O crescimento deve ser de 22%, enquanto em outras ocupações o aumento médio deve chegar a 8,5% no mesmo período.

As maiores taxas de crescimento devem acontecer também nas profissões de pesquisa de engenharia e tecnologia (17,9%), engenharia de controle e automação, mecatrônica e afins (14,2%), direção de serviços de informática (13,8%) e operação de máquina de usinagem CNC (13,6%).

Entre as áreas que vão demandar formação profissional, segundo o relatório, estão a metalmecânica com 1,6 milhão de vagas, construção, com 1,3 milhão, logística e transporte com 1,2 milhão, alimentícia com 754 mil, informática com 528 mil, eletroeletrônica com 405 mil e energia e telecomunicações com 359 mil.

No topo do ranking por área deverão estar as ocupações transversais, aquelas com profissionais que estão aptos a trabalhar em qualquer segmento, como pesquisa e desenvolvimento, técnico de controle da produção e desenhistas industriais. O Senai estima que, neste setor, 1,7 milhão de vagas devem ser criadas nos próximos cinco anos.

Profissionais com formação técnica terão mais oportunidades na área de logística e transporte, exigindo a capacitação de 495.161 trabalhadores, enquanto a de metalmecânica precisará qualificar 217.703 pessoas.