junho 18 2019 0comment

Como uma cultura baseada em dados transforma negócios?

Você deve estar se perguntando se o Big Data Analytics deve ou não ser adotado pela sua empresa.

Com toda a experiência adquirida ao longo dos anos, dizemos com todas as palavras que o BIG DATA é  interessante para todo tipo de negócios, pois ele é capaz de exercer impacto tanto dentro quanto fora da sua empresa. O uso de dados (novamente, externos ou internos) leva a movimentos de negócios mais inteligentes, operações mais eficientes, maiores lucros e clientes mais felizes.

Alguns dos pontos que mais causam impacto e geram valor em organizações que se guiam por dados são:

Redução de custos

Tecnologias de Big Data, como Hadoop e as análises baseadas em nuvem, trazem vantagens de custo significativas quando se trata de armazenar grandes quantidades de dados – além de serem capazes de identificar formas mais eficientes de fazer negócios.

Tomada de decisão mais rápida e eficiente

Com a velocidade dessas tecnologias para processar e analisar diferentes fontes de dadas e memorizar os melhores caminhos com inteligência artificial, as empresas são capazes de compreender e se debruçar analiticamente sobre informações de maneira imediata, tomando decisões melhores e mais assertivas em um tempo cada vez menor.

Novos produtos e serviços

Com a capacidade de avaliar as necessidades dos clientes e satisfação por meio da análise, vem o poder de dar aos clientes o que eles querem. Diversos especialistas apontam que, com Big Data Analytics, mais empresas estão criando novos produtos para atender às necessidades dos clientes.

A importância de Big Data não gira em torno da quantidade de dados que você tem, mas do que você faz com eles. Você pode tomar dados de qualquer fonte e analisá-los para encontrar respostas que permitam:

  • Determinar causas raiz de falhas, problemas e defeitos quase em tempo real;
  • Gerar cupons no ponto de venda com base nos hábitos de compra do cliente;
  • Recalcular portfólios de risco inteiros em minutos;
  • Identificar comportamentos fraudulentos antes que sua organização seja afetada.

Ou seja, os benefícios são gigantescos (e cada vez mais, aparecem novos). Por isso, pense na seguinte pergunta: “O que sua empresa está perdendo ao não adotar o uso de Big Data?”.

Ainda dá tempo de deixar a sua companhia ou área ainda mais competitiva.

maio 15 2019 0comment

Os 5 Vs do Big Data. Você os conhece?

Volume, Variedade, Velocidade, Veracidade e Valor. Esses são os 5 principais aspectos do Big Data que são conhecidos por 5 Vs.

Os aspectos de VolumeVariedade e Velocidade, como explicamos, diz respeito à grande quantidade de dados não-estruturados que devem ser analisados pelas soluções de Big Data a uma grande velocidade.

O V de Veracidade é sobre as fontes e a qualidade dos dados, pois eles devem ser confiáveis. Já o V de Valor é relacionado aos benefícios que as soluções de Big Data vão trazer para uma empresa. Cada instituição precisa checar se os benefícios trazidos pela análise de Big Data compensam o alto investimento nas soluções específicas para isso.

Fonte: canaltech

maio 18 2018 0comment

Curso on line gratuito de Big Data

Fundação Instituto de Administração (FIA) apresenta dois novos cursos disponíveis no Coursera, plataforma de educação on-line. Os cursos com foco em Big Data e Marcas & Crise fazem parte do programa desenvolvido para ajudar pessoas no aprimoramento e renovação de conhecimento para conquistarem novas oportunidades de emprego. As aulas são oferecidos em português e são gratuitas.

O treinamento é destinado a todos os profissionais que queiram conhecer o conceito.

Para saber mais detalhes, vale a pena acessar a página da FIA: https://www.coursera.org/fia

Fonte: Computerworld

 

maio 04 2018 0comment

Do conhecimento a sabedoria – A interação humana aos dados

Por Alessandro Lemes da Silva

Nos atuais dias, tenho acompanhado iniciativas computacionais que visam enriquecer o ambiente corporativo com uma infinidade de informações, tratadas à medida e disponíveis a todo o segmento do conhecimento interno nas corporações.

Grandes repositórios de dados têm sido criados, nomes e termos semânticos específicos para qualificá-los, ambientes complexos e com tecnologia complexa têm surgido como meios de atender a demanda e a velocidade do negócio.

Projetos de longa duração e com custos significativos são instituídos para capturar, enriquecer e distribuir informação que por sua vez é armazenada em volumes de dados antes ainda não vistos.

Diversos vendors têm invadido o mercado com ferramentas diversas e propostas diversas, além de formas diversas para implementar e interagir com essas informações com o objectivo de ser visualmente impactante, usualmente simples e que ofereça velocidade na análise de volumes consideráveis destas informações.

As novas técnicas de administração dessas ferramentas, arquitetura de dados e governança têm obrigado as empresas a criar novos departamentos, totalmente voltados ao fortalecimento das competências centralizadas de gestão e distribuição destas informações, por meio de federação, data lakes, níveis de maturidade e diversas outras técnicas de organização.

Passamos décadas acumulando dados e outras tantas transformando-os em informação e agora chegamos na altura de extrairmos os resultados esperados que nos traga velocidade na tomada de decisão, time to marketing e outros nomes que encontramos no mercado.

 

Chegamos na onda do Big Data, da inteligência artificial e deixamos de lado os aspectos críticos relacionados com a recolha, processamento, enriquecimento e tratamento destes dados no âmbito da análise. É importante que quem pratica a ciência dos dados o faça compreendendo estes aspectos críticos e tenha a consciência da primazia humana sobre os tais dados no sentido de acrescentar-lhes elementos baseados na experiência do contexto onde as análises são feitas, particularidades criadas à partir das histórias que os dados contam e a sensibilidade em interpretar resultados frios gerados à partir do modelos estatísticos, tendo à mão o conhecimento estrito do negócio, seu segmento e o contexto em que este está inserido.

Relaciono a baixo pontos que podem melhor ilustrar esse pensamento:

  1. Cuidados dedicados aos dados

Cada fragmento de dados está ligado direta ou indiretamente aos seres humanos. Pode ser a data de nascimento de alguém, data de mudança do seu estado civil, endereço, rendimentos e detalhes da vida financeira, etc. As organizações têm a responsabilidade de cuidar destes dados mais do que nunca, por uma questão regulatória ou por razões comerciais, afinal informação é dinheiro e informações que lhe podem criar nova oportunidades de negócio são ativos de alto valor. Os que negligenciam a proteção aos dados podem hoje pagar alto preço e comprometer a sobrevivência da organização. Exemplo disto está na recente fuga de dados da Equifax, esta falha de segurança trouxe-nos lições importantes e reforçou o cuidado como atitude que visa o compliance e fortalece o compêndio de segurança das corporações como sinal de maturidade no uso das informações.

 

  1. Compreender o contexto dos dados

Nenhuma solução analítica ou de inteligência de negócios, BI clássico, dinâmicas preditivas, Inteligência artificial ou qualquer outra técnica conhecida irá disponibilizar resultados mágicos de que está à procura. É preciso compreender o contexto ao qual os dados estão a ser empregados. Negligenciar características populacionais ou geográficas pode comprometer uma campanha de marketing por falhar na abordagem correta.

Um modelo preditivo pode perder toda a sua eficácia se aquilo que em princípio parece ser um mero detalhe, no montante do universo dos dados se tornar uma característica comportamental ou superar os limites da estatística descritiva. Outro exemplo é o modo como os números de vendas de uma empresa precisam de ser analisados. Tipicamente as mudanças nos números das vendas devem ser analisadas a partir de contexto econômico, político e social, para se conseguir obter informações úteis.

 

  1. Os dados nos permitem contar histórias

Um dos recursos analíticos é a possibilidade de se montar um cenário que nos traz ao longo do tempo o contexto histórico através dos dados, especialmente dentro do âmbito do Big Data, a densidade de informações e sua abrangência, permite visualizar todo o contexto histórico acerca de um assunto de negócio. Existe uma enorme lacuna de recursos humanos, nomeadamente em termos de capacidades de interpretação das informações analíticas e na explicação das mesmas numa linguagem simples e de fácil compreensão. O storytelling de dados já não é um trabalho imaginário. É uma capacidade essencial que todas as pessoas que trabalham com dados deveriam ter!

 

Afinal, qual a importância da interacção humana com os dados?

Muitos projetos de Big Data falham, em parte, porque as organizações falham em adicionar um toque humano ao contexto dos Dados. Ao melhorar a qualidade das informações analíticas podemos reduzir a taxa de insucesso dos projetos de big data. Através do storytelling de dados podemos garantir que os conhecimentos analíticos têm um maior e mais profundo impacto sobre as pessoas e organizações. Além disso, ao tomar medidas de proteção dos dados as organizações eliminam o elevado risco causado pelas quebras de segurança dos dados.

Em suma, podemos afirmar que os dados trazem conhecimento as organizações, entretanto a interação humana aos dados resultam em sabedoria.

 


Alessandro Lemes da Silva é colunista do Blog da Infomev e discute sobre o universo do Business Intelligence (BI).