abril 11 2016 0comment

Business Intelligence: As principais tendências para 2016!

O ano de 2015 trouxe mudanças significativas para o universo do business intelligence. Cada vez mais, organizações abrem o acesso aos dados para os seus funcionários, fazendo com que os dados sejam utilizados como fonte de informações. As regras do business intelligence estão evoluindo, e por este motivo, a Tableau montou um relatório apontando quais são as 10 maiores tendências em BI para 2016.

Entre elas, estão:

– Governança e Análise de autoatendimento trabalhando em conjunto;

– Análise visual passa a ser uma linguagem comum;

– Produtos de análise de dados mais comuns;

– Análises avançadas não é só para analistas;

Entre outros.

Para ter acesso ao relatório completo, clique no link: http://tabsoft.co/1RA7Wnd

 

Fonte: Tableau

março 07 2016 0comment

Onófrio Notarnicola Filho – Novo colunista da Infomev

É com muito prazer que informamos que o blog da Infomev possui um novo colunista: Onófrio Notarnicola Filho.

Foi Diretor Geral nas empresas de tecnologia: Microtec, ACER, SED Internacional, SND/ Intel, Vantive, Peoplesoft/Oracle, SAG-Software AG e Matchmind e atualmente é consultor empresarial. Especialização pelo CMAT – Customer  Management Assessment Tool – Miami/ USA.Palestrante e Conferencista nacional e internacional e escreve para as revistas Cliente S.A, Gestão e Negócios e Meu Primeiro Negócio. Coord. pedagógico e professor nas modalidades: on-line education e presencial na FIA, FGV, HSM e FIT. Ex-diretor da curadoria na EDUZZ. Sócio e diretor de curadoria na NEWB – AdaptLearn (Startup). www.newb.com.br

Onófrio irá apoiar e contribuir com o seu conhecimento através de artigos, notícias e discussões sobre Tecnologia Aplicada à Negócios.

Fique de olho e acompanhe suas publicações, que irão ocorrer toda terceira 5ª feira do mês.

Onófrio Notarnicola Filho - Colunista convidado
Onófrio Notarnicola Filho – Colunista convidado

 

março 01 2016 0comment

SAS Realiza pesquisa sobre tecnologias na prevenção de fraudes em seguros

Uma pesquisa inédita realizada pelo SAS, estudou as principais seguradoras do país para entender as práticas mais comuns de fraudes, abusos e desperdícios a que são submetidas essas empresas. Além dessa avaliação, o estudo visava identificar as principais tecnologias empregadas na prevenção de irregularidades.

O estudo que foi realizado no primeiro semestre de 2015, constatou que os programas de prevenção a fraudes evoluíram com o passar do tempo e tornou-se cada vez mais sofisticados e eficazes na detecção e prevenção de irregularidades.

Confira o que a pesquisa identificou:

– 59% das empresas possuem alguma tecnologia de prevenção a irregularidades no sinistro, porém menos da metade está utilizando tecnologias no processo de aceitação;

– 71% das empresas utilizam seus sistemas atuais há mais de cinco anos, porém são sistemas baseados em regras;

– 100% das empresas ainda confiam no sentimento do analista de sinistro para referenciar um caso para sindicância;

– O principal benefício percebido em se ter um sistema de prevenção a irregularidades é não incomodar os clientes honestos;

– O principal desafio em implantar um sistema mais moderno está na falta de recursos (Financeiros ou de TI).

Para conferir a pesquisa completa acesse: http://www.sas.com/pt_br/offers/16/pesquisa-sas-seguradoras.html

Fonte: SAS

fevereiro 23 2016 0comment

A importância do conhecimento na interpretação dos Dados

Albert Einstein afirmou no último século que, informação não é o mesmo que possuir conhecimento. Essa sábia frase faz cada vez mais sentido se a utilizarmos no universo do Big Data e análise de dados.

Atualmente, coletar e analisar dados não é sinônimo de entrega de inteligência efetiva ao negócio. Por esse motivo, é de extrema importância apostar em profissionais especializados e com conhecimento do negócio.

Cientistas e especialistas de dados são qualificados para processar informações e identificar oportunidades valiosas ao negócio. O primeiro passo é identificar o perfil do profissional e cruzar com a necessidade do projeto. O segundo passo é verificar se ele possui o conhecimento ou habilidade para manuseio de ferramentas. Caso não possua, existem no mercado cursos analíticos de curta duração que alinha conhecimento teórico e prático e é capaz de deixar o profissional apto a fazer a interpretação dos dados (saiba mais: www.infomev.com.br). O terceiro passo é contar com o apoio de ferramentas analíticas que atendam a necessidade do seu negócio e consiga apresentar os dados proporcionando maior aproveitamento estratégico e preditivo das informações.