Big Data – Quando o excesso de dados vira um problema

Uma pesquisa realizada pela KPMG Capital e que entrevistou  144 CFOs e CIOs de empresas multinacionais com receitas de US$ 1 bilhão ao ano ou mais.

O estudo constatou que 96% dos empresários reconhecem o valor do Big Data para suas companhias, mas que não conseguem implantar e gerenciar seus dados de forma eficaz.

O levantamento mostra ainda que 99% dos executivos consideram importante a análise de dados para os negócios, mas 75% desses empresários acham difícil tomar decisões relacionadas a esse assunto. Outros 85% têm dificuldades para analisar e interpretar com cuidado os dados existentes. Já para 54% deles a incapacidade de identificar quais dados devem ser coletados é a maior barreira para a implementação de uma estratégia de big data.

A pesquisa também revela que 79% dos executivos consideram análise de dados muito importante para seus planos de crescimento atuais e que 80% concordam que a velocidade é o principal benefício do uso do serviço. Além disso, 85% consideram um grande desafio a implementação da solução ideal para analisar e interpretar dados.

Já  42% dos executivos consideram como maior dilema a integração da tecnologia de dados aos sistemas existentes – embora 56% dos empresários tenham mudado suas estratégias de negócio para atender aos desafios ligados ao Big Data.

Fonte: site convergencia nacional

Big Data nas ações do Governo

Durante o IT Segurity, evento realizado pela Network Eventos, em Brasília, uma pergunta colocada pelo presidente da Dataprev, Rodrigo Assumpção, em seu discurso sobre a adoção da análise de dados em órgãos governamentais.

Para Rodrigo, o governo atual tem a liberdade de fazer cruzamento de dados, porém, como refletir isso em algo favorável para o cidadão?

Confira o vídeo com trecho da palestra de Rodrigo Assumpção.

Fonte: convergência digital.

Os V’s do Big Data. Conheça-os!

No intuito de deixar a ideia de Big Data mais clara, alguns especialistas passaram a resumir o assunto em aspectos que conseguem descrever satisfatoriamente a base do conceito: os cincos ‘Vs’ – primeiramente volume, velocidade e variedade, e posteriormente agregados, os fatores veracidade e valor.
Volume – é a quantidade de dados realmente grandes, que crescem exponencialmente e que, não raramente, são subutilizados justamente por estarem nestas condições.

Velocidade (velocity) – a identificação dos dados (obtenção, gravação, atualização, enfim) deve ser feito em tempo hábil – muitas vezes em tempo real. Se o tamanho do banco de dados for um fator limitante para a velocidade de entrega, o negócio pode ser prejudicado: imagine, por exemplo, o transtorno que uma operadora de cartão de crédito teria – e causaria – se demorasse horas para aprovar um transação de um cliente pelo fato de o seu sistema de segurança não conseguir analisar rapidamente todos os dados que podem indicar uma fraude.

Variedade (variety) é outro aspecto importante. Os volume de dados que temos hoje são consequência também da diversidade de informações. Temos dados em formato estruturados, isto é, armazenados nos bancos de dados, e dados não estruturados oriundos de inúmeras fontes, como documentos, imagens, áudios, vídeos e assim por diante. É necessário saber tratar a variedade como parte de um todo – um tipo de dado pode ser inútil se não for associado a outros.

Veracidade (veracity) – não adianta muita coisa lidar com a combinação “volume + velocidade + variedade” se houver dados não confiáveis. É necessário que haja processos que garantam o máximo possível a consistência dos dados. Voltando ao exemplo da operadora de cartão de crédito, imagine o problema que a empresa teria se o seu sistema bloqueasse uma transação genuína por analisar dados não condizentes com a realidade.

Valor (value) – são os resultados e benefícios significativos que justificam a afirmação que informação é poder, é patrimônio. A combinação “volume + velocidade + variedade + veracidade”, que caracteriza a solução Big Data deve apresentar valor para seu investimento.

É claro que estes cinco aspectos não precisam ser tomados como a definição perfeita. Há quem acredite, por exemplo, que a combinação “volume + velocidade + variedade” seja suficiente para transmitir uma noção aceitável do Big Data. Sob esta óptica, os aspectos da veracidade e do valor seriam desnecessários, porque já estão implícitos no negócio – qualquer entidade séria sabe que precisa de dados consistentes; nenhuma entidade toma decisões e investe se não houver expectativa de retorno.

Resumindo: Big data é um conceito, no qual o foco é o grande armazenamento de dados e maior velocidade, baseado em 5V’s – volume, velocidade, variedade, veracidade e valor

Fonte: administradores.com.br

 

Carreira : Faculdade em SP lança seis novos cursos rápidos de tecnologia

A faculdade FIAP, em São Paulo, anunciou o lançamento de seis novo cursos relacionados à área de tecnologia. Todos tem curta e média duração – de 16 a 42 horas, no máximo.

Com turmas começando entre agosto e novembro deste ano, os cursos são voltados a big data, redes e desenvolvimento de apps e games. Os professores são especialistas nas respectivas áreas, e a ideia, segundo o comunicado da faculdade, é não só ensinar, mas também fazer com que os alunos levem um pouco de experiência.

Para maiores detalhes sobre o curso, acesse a página da FIAP: http://www.fiap.com.br/