fevereiro 28 2017 0comment

Big Data Analytics – Você sabe o que é?

Big Data Analytics é o trabalho analítico e inteligente de grandes volumes de dados, sejam eles estruturados ou não. Esses dados são coletados, armazenados e interpretados por softwares de altíssimo desempenho através do cruzamento de informações do ambiente interno e externo, gerando uma espécie de “GPS gerencial” para tomadores de decisão.

Algumas das fontes usadas por um software de Big Data Analytics:

  • Dados extraídos de ferramentas de Inteligência de Negócios (Business Intelligence – BI);
  • Conteúdos de mídias sociais;
  • Relatórios empresariais;
  • Textos de e-mails de consumidores à empresa;
  • Indicadores macroeconômicos;
  • Pesquisas de satisfação;
  • Estatísticas de ligações celulares capturadas por sensores conectados à  !internet das coisas”;
  • Bases de dados das empresas de cartão de crédito;
  • Programas de Fidelidade;
  • Entre outros

Curioso para entender como isso acontece?

A Siemens elaborou 4 vídeos explicativos sobre o conceito Big Data Analytics. Os vídeos estão em inglês, mas vale a pena assisti-los.

 

Fonte: Exame

fevereiro 21 2017 0comment

Mas afinal, o que é Big Data?

O termo Big Data surgiu em 2005 com o Google, mas foi em 2008 que ele ganhou mais visibilidade, quando a plataforma Hadoop foi transformada em Open Source.

A expressão BIG DATA, se traduzida literalmente, significa GRANDES DADOS e, como próprio nome já diz, refere-se à um grande volume de dados a ser analisado.

A cada segundo, produzimos informações que, consequentemente, são transformadas em dados. Se analisados de maneira estratégica, os dados produzidos podem tornar-se informações relevantes para diversos negócios nos mais variados segmentos.

As técnicas de BIG DATA são particulares para cada cenário. Assim como qualquer tecnologia, é importante verificar se o negócio está preparado para analisar os dados e se eles vão ajudar a empresa no processo de decisão. Quando estruturada para a análise de dados, algumas corporações encontram a possibilidade de tomar decisões mais precisas e antes da concorrência, somente usando o BIG DATA.

Sabemos que o mercado é bastante competitivo e ter os processos de trabalho melhorados e obter insights sobre o comportamento dos consumidores, pode ser o divisor entre o sucesso e estagnação do negócio.

Para facilitar, veja o vídeo explicativo que separamos para vocês:

Fonte: Exame | Vídeo: Canaltech

janeiro 27 2017 0comment

Escolha onde pôr o seu foco

Por Dulcineia Alcock

Acabamos de iniciar um novo ano, e com ele, trazemos a esperança de colocar em prática alguns sonhos e projetos. Por este motivo, preparamos este post para você.

Uma das maneiras mais efetivas de alcançar um objetivo é estando atento sobre onde você está pondo o seu foco.

David Rock, autor de Your Brain At Work (Seu Cérebro Trabalhando, em tradução livre), sugere que dentro de um processo, projeto ou tomada de decisão, existem 5 níveis de foco.

Como já vimos neste artigo, o cérebro checa o tempo todo se estamos diante de uma recompensa (amigo) ou ameaça (inimigo). Se ele entende que está ameaçado, entra em estado límbico, tornando difícil a tomada de decisões que não sejam afetadas pelas emoções, e criando distanciamento. Por outro lado, se ele se sente confortável, cria uma resposta colaborativa, de aproximação.

Dito isto, podemos listar os 5 níveis de foco:

  1. Visão
  2. Planejamento
  3. Detalhe
  4. Problema
  5. Drama

Os três primeiros o colocam num estado de aproximação. Problema e Drama, numa posição de distanciamento.

 

  1. Visão

A visão é o seu objetivo estabelecido. Não é uma coisa detalhada; tem mais a ver com a direção em que você quer chegar, e qual a sensação de chegar lá.

Um ótimo exercício para isto é você se imaginar como uma pessoa que alcançou aquele gol. O que você sente? O que você ouve ao seu redor? Quem está com você?

Depois de fazer esta visualização, use uma palavra pra expressar qual é a sensação de alcançar aquele objetivo.

 

  1. Planejamento

O planejamento tem a ver com descobrir como você vai alcançar aquele objetivo. É pensar nas estratégias necessárias para chegar lá.

Pense numa viagem: a sua visão vai ser passar as férias no Havaí. O planejamento vai ser pensar em quais são os passos para isto, mas sem entrar em muitos detalhes, e sem agir ainda. O primeiro deles talvez seja pensar em quando você pode ir. Depois visitar uma agência de viagens, e assim por diante.

 

  1. Detalhes

A fase de detalhes é onde você vai por a sua energia e agir.

Não adianta comprar a sua passagem pro Havaí antes de fazer o planejamento e saber seu orçamento pra viagem, saber se suas férias serão aprovadas etc.

Para objetivos maiores ou de longo prazo, é importante que você divida o gol em pequenas ações. Desta forma ele parecerá mais fácil de alcançar, e você mantém seu cérebro em estado colaborativo, de aproximação.

É importante que você coloque um prazo para cumprir aquela ação. ¨Preciso ir à agência¨ é bem vago, enquanto ¨eu irei à agência no sábado às 10:00 hs¨ faz o seu cérebro entender que esta é uma tarefa importante.

 

  1. Problema

Às vezes é necessário olhar o problema para chegar à uma solução. Porém, você pode olhar o problema sob o ponto de vista da visão ou do planejamento, ao invés de sob um ponto de vista que simplesmente desanime você e qualquer outra pessoa envolvida em seu projeto.

Usando a viagem como exemplo, se ela vai custar R$ 10.000,00, simplesmente dizer: ¨eu não tenho dinheiro¨ é focar no problema. Porém se você planejar guardar R$ 1.000,00 todo mês e estabelecer o prazo de 1 ano para estar com as parcelas pagas, estará focando na visão e no planejamento.

Uma outra alternativa para sair do foco no problema, é olhá-lo sob outra perspectiva. Uma das maneiras de fazer isso é pensar: ¨como fulano agiria nesta situação?¨

 

  1. Drama

Este é o mais desanimador de todos os níveis. É carregado de carga emocional, põe o cérebro em estado de distanciamento, e não o leva pra mais perto do seu objetivo.

Uma das maneiras de sair deste estado é nomeando o sentimento. Parece simples demais, mas é bastante efetivo.

Em qualquer estágio de um projeto, você pode checar em quais dos cinco níveis está. Sempre que observar que está focando no problema ou no drama, volte para uma das outras três etapas.

Se não conseguir sozinho, peça para um colega que não esteja emocionalmente envolvido com a situação ajudá-lo.  Se isto não for possível no momento, faça uma atividade de nível intelectual, como colocar o problema numa planilha.

 

Escolha onde você quer colocar a sua energia, e obtenha melhores resultados. Sua vida agradece!


Dulcineia Alcock é Life Coach, certificada pelo NeuroLeadership Group em Londres.

info@highpeakcoaching.com

TEDx: Big Data aplicado a vendas

Para a Infomev, Conhecimento é essencial para mudar qualquer realidade. Seja ela no ambiente pessoal ou profissional. Por este motivo, nosso conceito de trabalho e todas as nossas soluções visam entregar CONHECIMENTO.

Gostaríamos de compartilhar com vocês uma palestra do TEDx, que foi apresentado por Fernanda Viegas em 2009. Apesar de já fazerem 7 anos, o conteúdo apresentado continua atual e vale a pena conferir.